Cineastas do Nosso Tempo

Cineastas do Nosso Tempo


Rio de Janeiro e São Paulo, 16/10 a 09/11/2012

A mostra de filmes Cineastas, do nosso tempo traz, para a CAIXA Cultural do Rio de Janeiro, de 16 a 28 de outubro e no Cine Olido em São Paulo, de 2 a 9 de novembro, uma seleção de títulos da série Cinéastes, de notre temps, criada em 1964, para a televisão francesa, por André S. Labarthe e Janine Bazin, e que ganhou uma retrospectiva no Centre Georges Pompidou ano passado.

A série é formada por filmes sobre cineastas feitos por cineastas e críticos ligados à revista Cahiers du Cinéma que, exibidos em conjunto, traçam um panorama da história do cinema de autor a partir de seus grandes mestres. Entre os títulos que serão exibidos estão alguns realizados nos anos 60 e 70, como o de Renoir feito por Rivette, Dreyer por Rohmer, Godard em diálogo com Fritz Lang, Cassavetes por André Labarthe e, mais recentemente, os de Straub-Huillet por Pedro Costa e Rivette por Claire Denis.

Para complementar a programação serão apresentados na CAIXA Cultural do Rio três filmes de diretores brasileiros (Chantal Akerman, de cá, Belair e A etnografia da amizade) e promovidos dois encontros com o público - a conferência "Filmar o ato de criação. Cineastas do nosso tempo e a poética do cinema", com curador Pedro Maciel Guimarães, na quarta-feira, dia 17, às 19h; e um debate sobre as relações entre cinefilia e critica, com José Carlos Avellar, Daniel Caetano e mediação da curadora Patrícia Mourão, na quarta-feira, dia 24, às 18h30.

O início da Cinéastes, de notre temps é contemporânea da consagração da Nouvelle vague e, uma de suas criadoras, Janine Bazin pretendia que a realização dos filmes fosse confiada aos jovens cineastas do movimento, que fariam registros de outros cineastas que eles tinham como mestres. A editoria dos Cahiers du Cinéma compareceu em peso aos filmes da série: em um primeiro momento, nos anos 60 e 70, André S. Labarthe, André Fieschi, Jacques Rivette, Eric Rohmer, Jean Louis Comolli, Claude Givray e Jean Douchet, e depois, do início dos anos 90 até hoje, Olivier Assayas, Jean Pierre Limosin e Alain Bergala. Pensada sob a forma de “retratos” de cineastas, a ideia da série era fazer uma versão filmada das longas entrevistas com grandes diretores do cinema mundial através do olhar de um jovem cineasta cinéfilo. Com o tempo, a forma de entrevistas filmadas deu lugar a ensaios mais pessoais e poéticos sobre as obras dos cineastas em questão. Como se tratam de obras audiovisuais e não de textos, os filmes da série permitem a um cineasta “jovem” inserir no filme assinado por ele sua marca autoral, ao mesmo tempo que ele aborda vários pontos estéticos e históricos da obra de um diretor homenageado.

Informações práticas
Rio de Janeiro
16 a 28 de outubro
Caixa Cultural, Av. Almirante Barroso, 25, Centro
Ingressos: R$2,00 (inteira) e R$1,00 (meia)
http://www.caixacultural.com.br

São Paulo
2 a 9 de novembro
Cine Olido, Av. São João, 473
http://www.prefeitura.sp.gov.br

Ordenar por: título | data de exibição | cidade

Programação

Roma em chamas: retrato de Shirley Clarke

Rome brûle, portrait de Shirley Clarke), (França 1970). De André S. Labarthe, Noël Burch. Em cores/’.

Sinopse, Rio de Janeiro

Sinopse


Shirley Clarke recebe visitas num apartamento nova-iorquino. A câmara circula enquanto se debate o cinema e o mundo em mudança, a militância, o movimento underground, a democratização da arte. O dispositivo foi inspirado no de The Connection, filme de Clarke no qual a câmera passeia por junkies em um apartamento.

Rio de Janeiro

  • Caixa Cultural - Rio de Janeiro
    20/10/2012 às 19h
    Av. Almte. Barroso , 25, Rio de Janeiro
  • Caixa Cultural - Rio de Janeiro
    26/10/2012 às 15h
    Av. Almte. Barroso , 25, Rio de Janeiro

Samuel Fuller, cineasta independente

Samuel Fuller, independent filmmaker (França 1967). De André S. Labarthe. Em cores/68’.

Sinopse, Rio de Janeiro

Sinopse


Filme em vinte e três breves capítulos,no qualo diretor de Paixões que alucinam apresenta suas ideias sobre política, música, racismo, comunismo, violência, crime, dinheiro, a guerra e a Estátua da Liberdade.

Rio de Janeiro

  • Caixa Cultural - Rio de Janeiro
    20/10/2012 às 17h30
    Av. Almte. Barroso , 25, Rio de Janeiro
  • Um dia de Andrei Arsenevitch
  • Um dia de Andrei Arsenevitch

Um dia de Andrei Arsenevitch

Une journée d'Andrei Arsenevitch (França 2000). De Chris Marker. Com Andrei Tarkóvski. Em cores/55’.

Sinopse, Rio de Janeiro

Sinopse

Marker registra as filmagens de O sacrifício e o início da doença que mataria o cineasta Andrei Tarkovski. O título do filme utiliza o nome do meio do cineasta russo para criar, a princípio, um estranhamento propício à abordagem da obra do cineasta.

Rio de Janeiro

  • Caixa Cultural - Rio de Janeiro
    19/10/2012 às 19h
    Av. Almte. Barroso , 25, Rio de Janeiro
  • Caixa Cultural - Rio de Janeiro
    25/10/2012 às 14h30
    Av. Almte. Barroso , 25, Rio de Janeiro