Abderrahmane Sissako

Abderrahmane Sissako

(1961)

Biografia

Nascido em 1961 em Kiffa, Abderrahmane Sissako passou a infância em Mali. Em 1983 vai a Moscou onde estuda cinema no VGIK, instituto federal de estado de cinema. Em 1989 tira o diploma e roda seu primeiro filme Le Jeu,selecionado para a quinzena de diretores do festival de Cannes. Reside e trabalha na frança onde se dedica à carreira de cineasta. Seus principais trabalhos: Le Jeu, 1991, curta-metragem, ficção. O diretor sempre teve a África no coração de seus filmes, o exílio marcou seu cinema como demonstra o brilhante Octobre, média-metragem filmadoem Moscou (1993) ganhador de diversos prêmios, dentre os quais ''Un certain Regard'' no Festival de Cannes em  1993. Dirigiu também o curta-metragem Le Chameau et les bâtons flottants (1995). Posteriormente dirigiu o curta-metragem Sabriya (1996), dentro da coleção intitulada pela produtora ARTE de ''African Dreaming'' e  Rostov-Luanda (1997), (dentro do evento Dokumenta Kassel 97). Possui  olhar crítico tanto para a ficção e documentário, como para a política e para a poética, sendo um dos diretores que trata com mais precisão a cerca do continente africano nos últimos anos. Em 1998 ele termina seu longa-metragem de ficção La vie sur terre. ''En attendant le bonheur" foi selecionado no Festival de Cannes de 2000 para concorrer na categoria ''Un Certain Regard''. O seu filme chamado Bamako (2006) foi apresentado no Festival de Cannes, fora da competição e conheceu um grande sucesso mediático.




Participação nos filmes

  • Bamako
  • Bamako

Bamako

(França, Mali 2006). De Abderrahmane Sissako. Com Aïssa Maiga, Danny Glover, Elia Suleiman, Habib Dembélé, Hélène Diarra, Tiécoura Traoré. Em cores/118’.

Sinopse

Sinopse


Cidadãos africanos decidem processar as instituições financeiras internacionais pelo estado de endividamento em que se encontra o continente. O julgamento se instaura nos jardins de uma casa em Bamako. Só que os procedimentos legais são recebidos com indiferença pelos habitantes locais, que seguem adiante com sua rotina. Entre eles estão Chaka e Melé. Ela é cantora num bar, ele está desempregado, e a relação dos dois passa por um momento difícil.

* Seleção oficial do Festival de Cannes de 2006, fora de competição. *

  • Heremakono - Esperando a Felicidade
  • Heremakono - Esperando a Felicidade
  • Heremakono - Esperando a Felicidade
  • Heremakono - Esperando a Felicidade

Heremakono - Esperando a Felicidade

Heremakono - En attendant le bonheur (França, Mauritânia 2002). De Abderrahmane Sissako. Com Fatimatou Mint Ahmedou, Khatra Ould Abdel Kader, Makanfing Dabo, Mohamed Ould Abeid Maata, Mohamed Ould Mohamed Mahmoud, Nana Diakité, Nèma Mint Choueikh. Em cores/95’. Classificação etária Livre.

Sinopse

Sinopse

Abdallah, um menino, encontra sua mãe em Nouadhibou, cidadezinha da costa da Mauritânia, enquanto esperam para viajar para a Europa. Nesse lugar de exílio, cuja língua não entende, tenta decifrar o mundo que o rodeia: Nana, mulher sensual que tenta seduzi-lo, Makan, que quer partir como ele, Maata, ex-pescador transformado em eletricista e seu aprendiz, o jovem e alegre Khatra que o ajudará a sair de seu isolamento ensinando-lhe o dialeto local. Os destinos cruzam-se e descruzam-se, enquanto os olhares fixos no horizonte esperam uma felicidade hipotética. * Seleção oficial: Un Certain Regard, Cannes 2002 * * Prêmio da Crítica Internacional, Cannes 2002 * * Étalon de Yennenga Fespaco 2003 *

O Jogo

O Jogo

Le Jeu (França, Mauritânia 1988). De Abderrahmane Sissako. Em preto e branco/23’.

Sinopse

Sinopse


Em algum lugar do deserto, a guerra. O pai de Ahmed, após uma jornada na companhia de sua esposa e seu filho, deve regressar à fronte. Durante esse tempo, as crianças brincam... Elas brincam de guerra.

Está relacionado ao tema JEUX ET JOUETS da coleção.
  • Rostov Luanda
  • Rostov Luanda

Rostov Luanda

(Angola, França, Mauritânia 1997). De Abderrahmane Sissako. Em cores/60’.

Sinopse

Sinopse


Há 17 anos, Abderrahmane Sissako conhecia Bari-Banga, jovem combatente na guerra de liberação da Angola. Era na URSS, em Rostov-sur-le-Don. O tema da pesquisa do amigo se desvanece um pouco para revelar um outro horizonte, aquele de uma África complexa que Sissako descobre através do prisma, lusófono e mestiço, da Angola. A busca do diretor começa em Kifa, lugar onde ele nasceu, na Mauritânia. Sissako elabora, ao longo dos encontros, um percurso cinematográfico atravessando a história recente da África e usando um diário de bordo.

  • Timbuktu
  • Timbuktu
  • Timbuktu
  • Timbuktu

Timbuktu

(França 2014). De Abderrahmane Sissako. Em cores/100’.

Sinopse

Sinopse

Timbuktu está mergulhada no silêncio graças aos extremistas religiosos que dominam a região. Já não há música, futebol ou risadas nas ruas que agora se encontram desertas. Longe de tudo isso, nas dunas, Kidane leva uma vida tranquila com a mulher, a filha e o seu rebanho. Mas sua paz será ameaçada quando ele entra em conflito com Amadou, o pescador que atacou uma de suas vacas. Para se defender, Kidane deve enfrentar a lei daqueles que estão determinados em derrotar um Islã aberto e tolerante.