Agnès Varda

Agnès Varda

(1928)

Biografia

Nascida em Bruxelas, filha de pai grego e com 4 irmãos, Agnès Varda é uma cineasta e roteirista radicada na França. Seu primeiro diploma foi em fotografia, sua grande paixão. Ela é viúva do cineasta francês Jacques Demy. Juntos eles tiveram um filho, o ator  o ator Mathieu Demy, que atuou em alguns dos filmes de seus pais, como Kung-fu Master e Documenteur, dentre outros, e uma filha chamada Rosalie Varda, que seguiu a carreira de figurinista, tendo atuado apenas em três filmes, sendo dois de seu pai e um de sua mãe.
Ela já realizou curtas, longas, ficções e documentários.

Agnès Varda foi membro do júri no Festival de Veneza em 1983 e no Festival de Cannes em 2005. Ela ganhou ainda um César d'honneur pelo conjunto de sua obra em 2001.




Participação nos filmes

  • Os Renegados
  • Os Renegados
  • Os Renegados
  • Os Renegados
  • Os Renegados

Os Renegados

Sans toit ni loi (França 1985). De Agnès Varda. Com Macha Meril, Sandrine Bonnaire, Stéphane Freiss, Yolande Moreau. Em cores/105’.

Sinopse

Sinopse


Uma jovem andarilha morre de frio: apenas mais uma notinha de jornal. Teria sido morte natural? Seria um caso policial ou social? O que poderíamos saber dela e como reagiriam aqueles que cruzaram seu caminho? A câmera se cola a Mona, perscrutando sua errância, uma errância obrigada, pois as portas se fecham para ela. Ela vaga, arma sua tenda, dorme com um, não dorme com outro... Retoma a estrada, pára, parte novamente: breves encontros, desesperança, vinho, solidão, frio. Ela cai num fosso, estremece, choraminga... vem a noite e a manhã é gélida.
* Leão de Ouro no Festival de Veneza 1985 *;
* Prêmio da Crítica Internacional/Fipresci 1985 *;
* Prêmio Georges Méliès 1985 *;
* César de Melhor Atriz a Sandrine Bonnaire *;
* Prêmio do Ofício Católico de Cinema 1985 *;
* Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro pela Associação de Críticos Americanos 1986 *;
* Melhor Filme e Melhor Direção (júri jovem) do Festival de Bruxelas 1986 *;
* Melhor Filme no Festival Internacional de Durban (África do Sul) 1987 *.

Páginas Íntimas

Páginas Íntimas

Les Créatures (França 1965). De Agnès Varda. Com Michel Piccoli, Bernard Lajarrige, Britta Pettersson, Catherine Deneuve, Eva Dahlbeck, Jeanne Allard, Joelle Gozzi, Louis Falavigna, Lucien Bodard, Marie-France Mignal, Nino Castelnuovo, Pierre Danny, Roger Dax, Ursula Kubler. Em cores/105’.

Sinopse

Sinopse

Este filme conta uma dupla estória: a vida de um casal e o nascimento de um romance. Edgar e Milene vivem reclusos e não podem dialogar, mas se amam e seu amor dará vida a uma criança. Quanto ao romance de Edgar, ele nasce do nada, à primeira vista, já que Edgar passeia sozinho pela Ilha de Noirmoutier. Mas, pouco a pouco, ao acaso de seus passeios, ele encontra alguns personagens cotidianos: um médico, uma dona de hotel, uma quitandeira, duas meninas bizarras, dois camelôs intrometidos e um homem estranho que se torna “a fera que o impedirá de escrever em círculos”. Estes personagens – dos quais ele sabe nada ou muito pouco – tornam-se, transformados ou imaginados por Edgar, as “criaturas” de seu romance, os peões de um jogo que ele inventa: o jogo da derrota. Enfim, o romance de ficção e o jogo da derrota organizam-se diante do espectador, enquanto as “criaturas” ganham vida ao longo de uma dura partida, na qual Edgar defende não apenas suas convicções, mas também seu amor.

Seleção oficial do Festival de Veneza 1966.

  • Prazer Amoroso no Irã
  • Prazer Amoroso no Irã
  • Prazer Amoroso no Irã
  • Prazer Amoroso no Irã

Prazer Amoroso no Irã

Plaisir d'amour en Iran (França 1976). De Agnès Varda. Com Ali Raffi, Thérèse Liotard, Valerie Mairesse. Em cores/6’.

Sinopse

Sinopse


Como falar de amor levando o olhar em direção às mesquitas, ou falar de arquitetura no buraco do travesseiro? Este curta-metragem é uma variação sobre as reviravoltas amorosas de Pomme e Ali Darius. Mas pode ser também o delírio de qualquer casal apaixonado, em lugares tão perfeitos quanto a Mesquita do Rei, em Ispahan, ponto de convergência entre arte sacra e arte profana. Curta-metragem produzido como complemento ao longa Uma canta, a outra não.
DVD 1 da coleção "Varda - Todos os Curtas" - Les Courts "Turistiques".

  • Resposta de Mulheres
  • Resposta de Mulheres
  • Resposta de Mulheres
  • Resposta de Mulheres

Resposta de Mulheres

Réponse de femmes (França 1975). De Agnès Varda. Em cores/8’.

Sinopse

Sinopse


“A pergunta ‘O que é ser uma mulher?’ foi proposta pelo segundo canal de televisão francês a várias mulheres cineastas. Este cine-panfleto é uma das respostas possíveis, no que diz respeito ao corpo das mulheres – nosso corpo –, do qual se fala tão pouco quando se fala da condição feminina. Nosso corpo-objeto, nosso corpo-tabu, nosso corpo com ou sem seus filhos, nosso sexo, etc. Como viver nosso corpo? Nosso sexo, como vivê-lo?” (Agnès Varda).

* Indicado ao César 1976 na categoria de documentário em curta-metragem.
DVD 1 da coleção "Varda - Todos os Curtas" - Les Courts "Contestataires".

  • Saudações, Cubanos!
  • Saudações, Cubanos!
  • Saudações, Cubanos!

Saudações, Cubanos!

Salut les Cubains (França 1963). De Agnès Varda. Em preto e branco/30’.

Sinopse

Sinopse


Agnès Varda traz de Cuba mil e oitocentas fotos em preto e branco, e faz com elas um documentário didático e divertido. Fidel e os músicos, socialismo e chá-chá-chá.
* Pomba de Prata no Festival de Leipzig *;
* Medalha de Bronze na 15a Mostra Internacional do Filme Documentário de Veneza 1964 *.

DVD 2 da coleção "Varda - Todos os Curtas" - Cinevardaphoto.
  • Tio Yanco
  • Tio Yanco
  • Tio Yanco
  • Tio Yanco

Tio Yanco

Oncle Yanco (França 1967). De Agnès Varda. Em cores/22’.

Sinopse

Sinopse


“É um retrato-reportagem do pintor Jean Varda, meu tio. Na periferia aquática de São Francisco, centro intelectual e coração da boemia, ele navega com velas latinas e pinta cidades celestes e bizantinas, pois é grego. No entanto, ele é muito ligado ao movimento jovem americano, e recebe hippies na sua casa-barco. Sobre como eu descobri o ‘meu tio da América’ e o quão maravilhoso ele é, é o que mostra este curta-metragem em cores.” (Agnès Varda)
DVD 1 da coleção "Varda - Todos os Curtas" - Les Courts "Contestataires".

  • Ulisses
  • Ulisses
  • Ulisses

Ulisses

Ulysse (França 1982). De Agnès Varda. Em cores/22’.

Sinopse

Sinopse


De frente para o mar, uma cabra, uma criança e um homem. Trata-se de uma fotografia feita por Agnès Varda, em 1954: a cabra estava morta, a criança se chamava Ulisses e o homem estava nu. A partir desta imagem fixa, o filme explora o que poderia existir entre o imaginário e o real. Flertando com a memória, pode-se deparar com ossos.
* Seleção oficial no Festival de Cannes 1983, Mostra Un certain regard - César 1984 do Melhor Documentário em curta-metragem * -
DVD 2 da coleção "Varda - Todos os Curtas" - Cinevardaphoto.

  • Um Minuto para Uma Imagem
  • Um Minuto para Uma Imagem
  • Um Minuto para Uma Imagem
  • Um Minuto para Uma Imagem

Um Minuto para Uma Imagem

Une minute pour une image (França 1983). De Agnès Varda. Em preto e branco/’.

Sinopse

Sinopse


Mini-série de 170 mini-filmes. Um comentário de um minuto em cada fotografia, com voz anônima. Só ao final descobrimos os nomes dos fotógrafos, anônimos ou famosos, e os nomes dos comentaristas. Neste DVD, em que Agnès comenta sobre seus curtas, foram eleitos 14 entre os 170 programas. "Um minuto para uma imagem", como ela mesma comenta.

DVD 2 da coleção "Varda - Todos os Curtas" - Une minute pour une image.

Uma canta, a outra não

L'une Chante, L'autre Pas (França 1976). De Agnès Varda. Com Ali Raffi, Francis Lemaire, François Wertheimer, Jean-Pierre Pellegrin, Robert Dadies, Thérèse Liotard, Valerie Mairesse. Em cores/120’.

Sinopse

Sinopse

Duas jovens vivem em Paris em 1962: Pauline, 17 anos, é estudante e sonha em largar sua família para virar cantora. Suzanne, 22 anos, ocupa-se de seus dois filhos. Elas se separam e, cada uma de sua parte, continuam sua batalha diária. Elas se reencontram dez anos depois, numa manifestação. Suzanne trabalha num escritório de planejamento familiar e Pauline tornou-se cantora. O destino irá uni-las novamente mais tarde, em 1976, quando elas já terão experimentado a frase de Simone de Beauvoir que conclui os créditos do filme: “Mulher não se nasce, torna-se.” Grande prêmio do Festival de Taormina 1977
  • Varda por Agnès
  • Varda por Agnès

Varda por Agnès

Varda by Agnès (França 2019). De Agnès Varda. Em cores/115’.

Sinopse

Sinopse

De mãe da Nouvelle Vague a ícone feminista, a diretora Agnès Varda expõe seus processos de criação e revela sua experiência com o fazer cinematográfico. A cineasta dá um enfoque especial no método de storytelling que ela denomina de “cine-writing”, uma espécie de fórmula utilizada por ela na grande maioria de seus documentários e ficções, revisando a sua carreira de maneira única e emocionante, neste filme que encerra a sua carreira de 64 anos.