Alain Cavalier

Alain Cavalier

Biografia

Alain Cavalier é um filmador (filmeur), alguém que filma. Faz isso profissionalmente há meio século. Estreou na esteira da “nouvelle vague” com um thriller (“Paixões e Duelo”, 1961), seu caminho particular com dramas ascéticos como “Thérèse” (1986) e “Libera Me” (1993), até o cinema não-ficcional dominar seu discurso fílmico. Cavalier, vale dizer, não se considera documentarista.

Nas últimas três décadas, Cavalier nos apresenta personagens maiores que a vida encontradas em seu cotidiano. As duas séries “Retratos” (Portraits), da virada dos anos 1980 para os 1990, são variações em torno de um dispositivo simples e rigoroso: resumir em cerca de 13 minutos a autobiografia oral de mulheres que trabalham com as mãos. São 23 pequenas obras-primas, uma tão distinta da outra quanto a trajetória de suas protagonistas. Aos poucos, no interior dos próprios “Retratos”, Cavalier já esboça seu autorretrato. Primeiro, ouvimos sua voz de habilidoso entrevistador. Num curta, e depois noutro, eis uma e logo outra revelação de seu próprio cotidiano. A voz acaba por ganhar um rosto. Cavalier estava pronto para a mais recente vereda de sua corajosa filmografia.

Entre 1978 e 2009, de “Ce Répondeur Ne Prend Pas De Messages” (Esta Secretária Eletrônica não Grava Recados) a “Irène”, foram quatro autorretratos. A revolução técnica do digital permite-lhe a fundação estética de um memorialismo audiovisual. A trama que desenvolvia pré-filmagem em seu começo de ficcionista passa a construir-se no momento mesmo da gravação autobiográfica cotidiana. A partir de seus diários, Cavalier agora esculpe seus filmes. Para a câmera do filmador, na vida é tudo cinema –ou assim pode ser.

Amir Labaki
E Tudo verdade 2010.




Participação nos filmes

  • 12 Retratos (primeira série)
  • 12 Retratos (primeira série)
  • 12 Retratos (primeira série)
  • 12 Retratos (primeira série)
  • 12 Retratos (primeira série)

12 Retratos (primeira série)

12 Portraits (1ere série) (França 1987). De Alain Cavalier. Em cores/156’.

Sinopse

Sinopse


Uma galeria de retratos íntimos de mulheres no trabalho. Esta primeira série possui 12 retratos, cada um dura 13 minutos: a fabricante de colchão, a fiandeira, a mergulhadora, a plantadora de laranjas, a bordadeira, a senhora-lavabo, a encadernadora, a bartender, a moedora de cana, a passadeira, o amoladora e mestre-vidreira.

  • 12 Retratos (segunda série)
  • 12 Retratos (segunda série)
  • 12 Retratos (segunda série)
  • 12 Retratos (segunda série)

12 Retratos (segunda série)

12 Portraits (2e série) (França 1991). De Alain Cavalier. Em cores/156’.

Sinopse

Sinopse


Uma galeria de retratos íntimos de mulheres no trabalho. Esta segunda série possui 12 retratos, cada um dura 13 minutos: a tratadora de gansos, a romancista, o costureira, a florista, a sapateira, a vendedora de jornais, a oculista, a sopradora de vidro, a ilusionista, a afinadora de piano, a fabricante de espartilhos e fabricante de arcos.

A Fazedora de Colchões

A Fazedora de Colchões

La Matelassière (França 1987). De Alain Cavalier. Em cores/13’.

Sinopse

Sinopse


Adeline Bouvrais trabalha fazendo colchões a mão no Quai des Célestins, em Paris, há cinquenta anos. Logo no início descobrimos o material necessário para este negócio: uma máquina para fios, barbante, agulhas e lã de boa qualidade. Enquanto filma seu trabalho, o diretor a questiona sobre sua família e sua vida.

"Esses retratos são encontros que eu não queria deixar cair em esquecimento, mesmo que seja só enquanto você assiste a eles. São mulheres que trabalham, que têm filhos e que, ao mesmo tempo, mantêm sua independência de espírito. Filmei 24 retratos de 13 minutos cada. Escolhi este curto intervalo de tempo por várias razões: não se tornar um aborrecimento, impedir inserções comerciais de TV, fazer o filme de forma ágil, em ritmo uniforme e sem tantos riscos. Não sou um documentarista. Sou mais como um amante de rostos, mãos e objetos. Mostrar a realidade não é meu objetivo. "Realidade" é apenas uma palavra, assim como sua irmã gêmea "ficção", que eu pratico também, mas com um prazer diferente." -Alain Cavalier

A Maître-Verrier

A Maître-Verrier

La Maître-Verrier (França 1987). De Alain Cavalier. Em cores/13’.

Sinopse

Sinopse


Filmada em seu ateliê, Adeline Herbert Stevens fala sobre as diferentes etapas da fabricação de um vitral, comandada por uma paróquia, e que ela realiza em frente às câmeras. Ela menciona a especificidade do trabalho do soprador de vidros e discorre com paixão sobre a matéria de que se utiliza, o vidro.

"Esses retratos são encontros que eu não queria deixar cair em esquecimento, mesmo que seja só enquanto você assiste a eles. São mulheres que trabalham, que têm filhos e que, ao mesmo tempo, mantêm sua independência de espírito. Filmei 24 retratos de 13 minutos cada. Escolhi este curto intervalo de tempo por várias razões: não se tornar um aborrecimento, impedir inserções comerciais de TV, fazer o filme de forma ágil, em ritmo uniforme e sem tantos riscos. Não sou um documentarista. Sou mais como um amante de rostos, mãos e objetos. Mostrar a realidade não é meu objetivo. "Realidade" é apenas uma palavra, assim como sua irmã gêmea "ficção", que eu pratico também, mas com um prazer diferente." -Alain Cavalier

A Optometrista

A Optometrista

L'Optcienne (França 1991). De Alain Cavalier. Em cores/12’.

Sinopse

Sinopse


Blanche Serfati é optometrista na região de Boulogne-sur-Seine. Ela apresenta seus diferentes instrumentos para avaliação da visão, sob a testemunha atenta de Alain Cavalier, ele próprio bastante míope. Pontuado por fotos de Frank Capra, o cineasta fala de sua angústia frente à possibilidade da perda da visão.

"Esses retratos são encontros que eu não queria deixar cair em esquecimento, mesmo que seja só enquanto você assiste a eles. São mulheres que trabalham, que têm filhos e que, ao mesmo tempo, mantêm sua independência de espírito. Filmei 24 retratos de 13 minutos cada. Escolhi este curto intervalo de tempo por várias razões: não se tornar um aborrecimento, impedir inserções comerciais de TV, fazer o filme de forma ágil, em ritmo uniforme e sem tantos riscos. Não sou um documentarista. Sou mais como um amante de rostos, mãos e objetos. Mostrar a realidade não é meu objetivo. "Realidade" é apenas uma palavra, assim como sua irmã gêmea "ficção", que eu pratico também, mas com um prazer diferente." -Alain Cavalier

A Romancista

A Romancista

La Romancière (França 1991). De Alain Cavalier. Em cores/11’.

Sinopse

Sinopse


Em um longo monólogo, Béatrix Beck narra sua vida: uma infância difícil marcada pela desgraça, um marido soldado que logo desaparece na guerra. Ela já trabalhou em fábrica, foi faxineira, secretária... Ao se tornar escritora de pequenos romances, ela passa a viver no campo cercada por seus três gatos e com uma máquina de escrever, folhas de papel e suas memórias.

"Esses retratos são encontros que eu não queria deixar cair em esquecimento, mesmo que seja só enquanto você assiste a eles. São mulheres que trabalham, que têm filhos e que, ao mesmo tempo, mantêm sua independência de espírito. Filmei 24 retratos de 13 minutos cada. Escolhi este curto intervalo de tempo por várias razões: não se tornar um aborrecimento, impedir inserções comerciais de TV, fazer o filme de forma ágil, em ritmo uniforme e sem tantos riscos. Não sou um documentarista. Sou mais como um amante de rostos, mãos e objetos. Mostrar a realidade não é meu objetivo. "Realidade" é apenas uma palavra, assim como sua irmã gêmea "ficção", que eu pratico também, mas com um prazer diferente." -Alain Cavalier

A Senhora-Lavabo

A Senhora-Lavabo

La Dame-Lavabo (França 1988). De Alain Cavalier. Em cores/13’.

Sinopse

Sinopse


Uma jornada de trabalho com Amélia, faxineira de banheiros no subsolo do Royal Printemps, grandiosa cafeteria situada em frente à loja de departamento Printemps, no boulevard Haussman. Ela fala sobre seu trabalho e também comenta sobre como encontra objetos abandonados por pequenos ladrões, como ela faz pequenos serviços aos clientes... Mas sobretudo, Amélia ama a arte lírica e sempre que pode se rende à Ópera, comprando o lugar mais acessível.

"Esses retratos são encontros que eu não queria deixar cair em esquecimento, mesmo que seja só enquanto você assiste a eles. São mulheres que trabalham, que têm filhos e que, ao mesmo tempo, mantêm sua independência de espírito. Filmei 24 retratos de 13 minutos cada. Escolhi este curto intervalo de tempo por várias razões: não se tornar um aborrecimento, impedir inserções comerciais de TV, fazer o filme de forma ágil, em ritmo uniforme e sem tantos riscos. Não sou um documentarista. Sou mais como um amante de rostos, mãos e objetos. Mostrar a realidade não é meu objetivo. "Realidade" é apenas uma palavra, assim como sua irmã gêmea "ficção", que eu pratico também, mas com um prazer diferente." -Alain Cavalier

  • Cine-Fragmentos
  • Cine-Fragmentos
  • Cine-Fragmentos

Cine-Fragmentos

Le Filmeur (França 2005). De Alain Cavalier. Em cores/97’.

Sinopse

Sinopse


Um apanhado de fragmentos da vida íntima do veterano cineasta francês Alain Cavalier, captados em câmera digital ao longo de 10 anos, compõem este documentário autobiográfico. Aos 74 anos, Cavalier expõe de forma crua e sem concessões suas impressões sobre o envelhecimento, as enfermidades e a morte. Uma mistura de recordações de infância, paisagens recorrentes e cenas de seu dia-a-dia: o 11 de setembro visto pela TV, as três operações para a retirada de tumores e imagens de Françoise Widhoff, sua companheira de toda a vida.

  • Combate na Ilha
  • Combate na Ilha
  • Combate na Ilha

Combate na Ilha

Le Combat dans l'Île (França 1962). De Alain Cavalier. Com Jean-Louis Trintignant, Romy Schneider. Em preto e branco/104’.

Sinopse

Sinopse


Clément, membro de uma organização política secreta, participa de um assassinato com Serge, o chefe do grupo. Caçado, ele foge e se refugia no moinho de Paul, um amigo de infância, a quem confia Anne, sua jovem mulher. Clément fica sabendo que Serge o traiu e traiu a causa. Ele jura vingar-se matando Serge. Na sua ausência, Anne e Paul se tornam amantes. Anne está grávida. A volta de Clément, ciumento e violento, provoca uma tragédia. Os dois homens irão lutar até a morte, numa ilha perto do moinho de Paul...

Esta Secretária Eletrônica Não Grava Recados

Esta Secretária Eletrônica Não Grava Recados

Ce répondeur ne prend pas de messages (França 1978). De Alain Cavalier. Em cores/65’.

Sinopse

Sinopse


"Maio de 1978. Num estado de vigília, eu me vejo pintando de preto o apartamento em que vivo, incluindo as janelas, até o desaparecimento da luz. Telefono a meus dois cúmplices: Jean-François (imagem), Alain (som); 16 mm. Sete dias de filmagem. Nada de montagem, nada de cortes. Demorei anos a poder ver o filme." -Alain Cavalier.