Charlotte Rampling

Charlotte Rampling

Biografia

Charlotte Rampling é filha de um coronel britânico. Aos nove anos, sua família mudou-se para Fontainebleau na França. Aprendeu francês na escola municipal onde foi matriculada. De volta à Inglaterra, a adolescente começou a se apresentar em teatros de revista com a irmã e em seguida trabalhou durante curto período como manequim. Assim como Jane Birkin e Jacqueline Bisset, estreou no filme ícone da swinging London, “A Bossa da Conquista”, em 1965. Em seguida voltou-se para as comédias populares enquanto cursava arte dramática na Royal Court School. Mas a morte brutal de sua irmã marcou-a profundamente, fazendo com que decidisse deixar a Grã-Bretanha. <br> <br>Instalou-se então na Itália e teve seu primeiro encontro marcante com Luchino Visconti. Foi ele que a dirigiu em 1969 no filme “Os deuses Malditos”. A atriz provou rapidamente que tinha sangue nas veias, passando do universo da ficção científica de Zardoz (Boorman) ao do sado-masoquismo, de “O porteiro da noite”, em 1974, filme que a revelou ao grande público. Nesse sucesso-escândalo de Liliana Cavani, ela encarna uma sobrevivente dos campos nazistas que mantém uma estranha relação com seu antigo carrasco. Através de seus papéis, ela se compraz em explorar as áreas mais perturbadas da alma humana. Assim, enamora-se de um chimpanzé diante das câmeras de Oshima (Max mon amour, 1985). Os americanos não se mostram insensíveis ao charme da enigmática Charlotte, que tocou Woody Allen (“Memórias” -  1980), Robert Mitchum (“O Último dos Valentões”) e Sidney Lumet (“O Veredicto”), no papel de uma mulher fatal. <br> <br>No fim dos anos 70, Charlotte elege como domicílio a França e roda filmes com Boisset (“Táxi Roxo”), Lelouch (“Viva la vie! “) e Deray (no policial "On ne meurt que deux fois", en 1985). Menos presente nas telas de cinema nos anos 90, faz, no entanto,  interpretações notáveis em 2000 em “O Jardim das Cerejeiras” (baseada na obra de Tchekhov) e no singular "Signos e Desejos" de Jonathan Nossiter. No ano seguinte, Charlotte Rampling faz um brilhante retorno em “Sob a Areia”, o retrato de uma mulher desamparada após o desaparecimento de seu marido, sob a batuta de François Ozon, um cineasta que ela reencontrará depois em “À beira da Piscina” e “Angel”. Foi nesse momento, ao receber um César pelo conjunto de sua obra (em 2001), que se tornou definitivamente uma estrela, notabilizando-se tanto na comédia (“Beije Quem Você Quiser”, “Désaccord parfait”) quanto em filmes de suspense (“Lemming”), autorais (“Em direção ao Sul”, 2006) e também na diversão hollywoodiana  (“Instinto Selvagem 2”). <br> <br>Em 2008, a atriz concretiza um projeto atrás do outro: verdadeira lady ao lado de Keira Knightley em “A Duquesa”, de Saul Dibb, ela também criou a personagem de grande sacerdotisa em “Babylon A. D.” de Mathieu Kassovitz e a mãe de família bisbilhoteira em “Algo que Você Precisa Saber”, de Cécile Telerman, antes de interpretar seu próprio papel no “O Baile das atrizes” de Maïwenn. Continuando a variar seus registros, a atriz participou em seguida da comédia musical britânica “StreetDance 3D”, onde impôs-se na pele de uma mulher desiludida em “A vida durante a guerra” de Todd Solondz e brilhou no papel de uma mecena na comédia dramática de Julio Médem, "Caótica Ana".




Participação nos filmes

  • A Duquesa
  • A Duquesa
  • A Duquesa
  • A Duquesa
  • A Duquesa

A Duquesa

The Duchess (França, Grã-Bretanha (Reino Unido, UK), Itália 2008). Com Charlotte Rampling, Ralph Fiennes. Em cores/110’.

Sinopse

Sinopse


Georgiana Spencer casou-se aos 18 anos com o Duque de Devonshire, que queria a todo custo ter um filho. Possuindo o título de Duquesa de Devonshire, logo Georgiana demonstrou sua inteligência e perspicácia perante a corte inglesa. Entretanto, ela não conseguia dar ao duque um filho; todas as suas tentativas de ficar grávida resultando em abortos ou em filhas. Isto faz com que o relacionamento entre eles se deteriore, pouco a pouco.

  • A Mulher Invisível
  • A Mulher Invisível
  • A Mulher Invisível

A Mulher Invisível

La Femme invisible (França 2009). Com Charlotte Rampling, Julie Depardieu. Em cores/90’.

Sinopse

Sinopse

De Agathe Teyssier.


Lili tem um problema raro: de vez em quando ela fica invisível e, mesmo que sua habilidade mágica seja às vezes útil, tornou-se um fardo para ela. As pessoas à sua volta ficam intrigadas com seus desaparecimentos repentinos e a vêem como distraída, ausente e irritante. Lili acredita que as pessoas a ignoram e olham para ela como se não estivesse ali. Mas seu problema é maior do que parece.

  • Algo que Você Precisa Saber
  • Algo que Você Precisa Saber
  • Algo que Você Precisa Saber
  • Algo que Você Precisa Saber
  • Algo que Você Precisa Saber

Algo que Você Precisa Saber

Quelque chose à te dire (França 2009). De Cécile Telerman. Com Charlotte Rampling, Mathilde Seigner, Olivier Marchal, Pascal Elbé. Em cores/100’.

Sinopse

Sinopse


Os Celliers, como qualquer família normal, são um grupo de desajustados. Mady é a dona-de-casa que dedica boa parte de sua energia para criticar os filhos e o marido Henry, que parece regredir desde que se aposentou. Antoine, o irmão mais velho, é um empresário sem habilidade para gerir negócios, enquanto sua irmã, Alice, pinta obsessivamente madonas deprimidas ou drogadas. A caçula, Annabelle, esforça-se para apaziguar os ânimos através das predições de tarô. Tudo corre relativamente bem até o dia em que Alice conhece o charmoso Jacques, policial solitário e desiludido, e acaba lhe contando as neuroses de sua família.

  • Angel
  • Angel

Angel

(Bélgica, França 2007). De François Ozon. Com Charlotte Rampling, Lucy Russel, MICHAEL FASSBENDER, Romola Garaï, Sam Neill. Em cores/134’.

Sinopse

Sinopse

A filha de um comerciante sonha se tornar uma escritora famosa para então poder freqüentar uma bela mansão de campo, por onde sempre passa, mas onde não pode entrar. A precoce Angel derrama todos seus desejos românticos numa prosa florida, que acaba por chamar a atenção de um bem conceituado editor de Londres. A fama logo é conquistada. A opção pela trama é o artifício utilizado pelo diretor François Ozon para recriar o estilo e o visual dos grandes melodramas de Hollywood dos anos 30 e 40.
  • As Chaves de Casa
  • As Chaves de Casa

As Chaves de Casa

Le Chiavi di Casa (Alemanha, França, Itália 2004). De Gianni Amelio. Com Alla Faerovich, Andrea Rossi, Charlotte Rampling, Kim Rossi Stuart. Em cores/105’. Classificação etária 12 anos.

Sinopse

Sinopse

Paolo tem 15 anos e sofre de deficiências físicas e psicológicas provocadas pelo parto, que culminou com a morte de sua mãe. Criado pelos tios na Itália, Paolo precisa viajar anualmente até um hospital de Berlim para terapia de reabilitação. Seu pai, Gianni, aparece para acompanhálo pela primeira vez durante a viagem, numa tentativa de se aproximar do filho. Suas vidas se transformam quando eles encontram Nicole, uma mulher forte que se dedica de corpo e alma aos cuidados de sua filha deficiente. Participou da competição do Festival de Veneza em 2004.
  • Beije Quem Você Quiser
  • Beije Quem Você Quiser
  • Beije Quem Você Quiser
  • Beije Quem Você Quiser
  • Beije Quem Você Quiser

Beije Quem Você Quiser

Embrassez qui vous voudrez (França, Grã-Bretanha (Reino Unido, UK), Itália 2002). De Michel Blanc. Com Michel Blanc, Carole Bouquet, Charlotte Rampling, Clotilde Courau, Denis Podalydes, Gaspard Ulliel, Jacques Dutronc, Karin Viard, Lou Doillon, Mélanie Laurent, Sami Bouajila, Vincent Elbaz. Em cores/103´’.

Sinopse

Sinopse

Dez dias na vida de cinco casais, seus amigos, filhos e amantes, durante férias na praia. Dez dias em que estes casais poderão se separar, trair, brigar e amar, em meio a descobertas e pequenos deslizes. Há, entre eles, um ciumento inveterado, uma mulher rica e entediada, uma mãe solteira e seu namorado narcisista. Uma teia de aventuras capaz de provocar um belo incêndio. Elisabeth, uma burguesa fútil e ociosa casada com um homem de negócios cínico e sem ilusões, decide ir de férias para um hotel de luxo no Touquet, estação balneária do norte de França. Véronique, uma amiga, convence o marido, um depressivo sem vintém, a ir ter com eles. Só que este apenas consegue alugar uma caravana, em vez da prometida suíte no hotel Westminster. Dois dias antes da partida, Elizabeth convida também Julie, mãe solteira, a partilhar a sua suite juntamente com o bebé. Mal chega, Julie apaixona-se por Maxime, um sedutor sem escrúpulos.

  • Charlotte Rampling: Um Retrato
  • Charlotte Rampling: Um Retrato
  • Charlotte Rampling: Um Retrato
  • Charlotte Rampling: Um Retrato
  • Charlotte Rampling: Um Retrato

Charlotte Rampling: Um Retrato

The Look, un autoportait à travers les autres (Alemanha, França 2011). De Angelina Maccarone. Com Charlotte Rampling. Em cores/94’.

Sinopse

Sinopse


Filme sobre Charlotte Rampling, revendo a carreira da atriz, trazendo suas afinidades artísticas e seu percurso bem particular no cinema contemporâneo...

Desacordo Perfeito

Dèsaccord Parfait (França 2006). De Antoine de Caunes. Com Charlotte Rampling. Em cores/88’.

Sinopse

Sinopse

Alice d'Abanville, atriz londrina, e Louis Ruinard, diretor francês, formaram o par mais glamouroso dos anos 1970, mas a relação acabou mal. Trinta anos depois se encontram, para decidir se o que sentem é amor ou ódio.
  • Em Direção ao Sul
  • Em Direção ao Sul
  • Em Direção ao Sul
  • Em Direção ao Sul
  • Em Direção ao Sul

Em Direção ao Sul

Vers le sud (Canadá, França 2005). De Laurent Cantet. Com Charlotte Rampling, Karen Young, Louise Portal, Lys Ambroise, Ménothy Cesar. Em cores/105’.

Sinopse

Sinopse


No Haiti dos anos de 1980, três mulheres americanas aproveitam suas férias e vivem emoções tropicais de forma diferente, com o mesmo homem. Ellen é uma mulher arrogante de Boston, mandona e afetada. Brenda é uma inocente do meio oeste com desejos masoquistas escondidos. Sue é brincalhona e adora sexo. Todas as três têm Legba como objeto de seu desejo. Ele é um jovem haitiano que proclama sua liberdade para se comportar como bem quiser. A curiosa ligação que as três americanas estabelecem com Legba fará com que elas descubram a outra face do Haiti, feita de pobreza e violência.

  • Eu, Anna
  • Eu, Anna

Eu, Anna

I, Anna (Alemanha, França, Grã-Bretanha (Reino Unido, UK) 2012). De Barnaby Southcombe. Com Charlotte Rampling, Gabriel Byrne. Em cores/93’. Classificação etária 14 anos.

Sinopse

Sinopse


Um thriller noir contado do ponto de vista de uma femme fatale, que  se apaixona pelo detetive encarregado de um caso de assassinato.