Eric Rohmer

(1920)

Biografia

Antes de se tornar um dos principais diretores da Nouvelle Vague, Éric Rohmer foi professor de Letras e escreveu um livro, Elisabeth, em 1946.

Depois, Rohmer colabora a váriais revistas e cria la Gazette du cinéma, onde encontra Jean-Luc Godard, Jacques Rivette, François Truffaut, e Claude Chabrol. Este grupo de futuros diretores integra rapidamente a Cahiers du cinéma, da qual Rohmer será editor 1957 à 1963. É o primeiro a se tornar diretor, en 1950. Ínicio de um longa filmografia, que marcará o cinema francês e revelará numerosos atores da nova geração (Arielle Dombasle, Pascal Greggory, Fabrice Luchini...)




Participação nos filmes

  • Charlotte e seu Bife
  • Charlotte e seu Bife

Charlotte e seu Bife

Charlotte et son Steak (França 1951). De Eric Rohmer. Em preto e branco/12’.

Sinopse

Sinopse


Walter acompanha Clara à estação ao mesmo tempo que encontra Charlotte. Ele se convida a casa desta com o propósito de beijá-la, mas ela somente prepara um café e um bife para ele. Charlotte finalmente o beija ,mas eles não se amam.

  • Conto da Primavera
  • Conto da Primavera
  • Conto da Primavera

Conto da Primavera

Conte de Printemps (França 1990). De Eric Rohmer. Com Anne Teyssèdre, Florence Darel, Hugues Quester. Em cores/112’.

Sinopse

Sinopse

Jeanne (Anne Teyssèdre) é uma professora de filosofia um tanto temperamental, mas de espírito aberto. Seu noivo está viajando e ela não quer ficar no apartamento dele. Como alugou seu próprio apartamento para um primo, ela termina aceitando o convite de Natasha (Florence Darel), uma estudante de música que conheceu numa festa, para dormir na sua casa. Ela se instala no quarto de Igor (Hugues Quester), o pai de Natasha, que por sua vez passa todas as noites com a namorada. Natasha conta a Jeanne a história do sumiço de seu colar e da suspeita de que a namorada do pai o tenha roubado. Mais tarde todos se encontram num jantar, na casa de campo de Igor, onde confusões serão desbaratadas e suspeitas esclarecidas.
  • Conto de Inverno
  • Conto de Inverno
  • Conto de Inverno

Conto de Inverno

Conte d'hiver (França 1991). De Eric Rohmer. Em cores/114’.

Sinopse

Sinopse

Depois de ter perdido o contato de Charles, um amor de férias com quem teve uma filha, Félicie hesite entre dois homens: Loïc, um pouco inteletual demais para seu gosto, e Maxence. Mas apesar de tudo, ela não perdeu esperança em reencontrar Charles, que ama ainda.
  • Conto de Outono
  • Conto de Outono
  • Conto de Outono

Conto de Outono

Conte d'Automne (França 1998). De Eric Rohmer. Com Alain Libolt, Béatrice Romand, Marie Riviere. Em cores/110’.

Sinopse

Sinopse

A viúva Magali (Béatrice Romand), de 45 anos, é uma produtora de vinho no sul da França. Isabelle (Marie Rivière), sua melhor amiga, resolve encontrar um novo marido para Magali: põe anúncio num jornal local e até encontra Gérald (Alain Lisbolt), um homem decente. No casamento da filha de Isabelle, Magali conhece Gérald. Mas o problema é que na mesma ocasião ela também conhece Étienne (Didier Sandre), um outro homem.
  • Conto de verão
  • Conto de verão
  • Conto de verão

Conto de verão

Conte d'été (França 1995). De Eric Rohmer. Com Amanda Langlet, Gwenaëlle Simon, Melvil Poupaud. Em cores/113’. Classificação etária LIVRE.

Sinopse

Sinopse

Gaspard (Melvin Poupaud) é um jovem que viaja até o balneário francês de Dinard, na Bretanha. Ele pretende encontrar Lena (Aurelia Nolin), por quem está apaixonado. Logo após sua chegada ele conhece Margot (Amanda Langlet), que trabalha como garçonete na creperia de sua tia (Evelyne Lahana). Eles logo se tornam amigos e passam a ficar um bom tempo juntos, mas Gaspard sente-se reticente em contar a ela a verdade sobre sua viagem.

FICHA PEDAGÓGICA :
Baixar a ficha aluno
Baixar a ficha professor
Indicação: Ensino Médio

Don Quixote de Cervantes

Don Quichotte de Cervantes (França 1965). De Eric Rohmer. Em cores/23’.

Sinopse

Sinopse


O espetáculo tenta mostrar como a ilustração tem tanto enriquecido quanto empobrecido nosso conhecimento do romance. Enriquecido porque nos mostrou como o físico dos personagens controla o caráter cômico da obra e seu simbolismo. Empobrecido porque ela negligencia, especialmente desde o século XIX e em favor dos protagonistas, a descrição do tempo e do ambiente, promovendo assim condensações e adaptações abusivas

Edgar Poe: Histórias Extraordinárias

Les histoires extraordinaires d'Edgar Poe (Canadá, França 1965). De Eric Rohmer. Em cores/24’.

Sinopse

Sinopse


Feito por Eric Rohmer em homenagem a Edgar Allan Poe (1809-1849), este filme é baseado no ensaio "Eureka" (1848) em que o poeta pretende falar com lirismo e cientificidade "da Física do Universo, Metafísica e Matemática."

L'Arbre, le Maire et la Médiathèque

(França 1993). De Eric Rohmer. Com Arielle Dombasle. Em cores/105’.

Sinopse

Sinopse

Em Saint-Juire, pequeno vilarejo do sul da região de Vendée, na França, o jovem prefeito socialista ambiciona construir num terreno municipal um complexo cultural e esportivo de grande envergadura. Apreciado pelos conterrâneos, este filho da terra consegue levantar os meios necessários graças às relações com o Ministério da Cultura. Tudo iria de vento em popa no melhor dos vilarejos, não fossem alguns acasos infelizes para atrapalhar os planos do nosso jovem prefeito…
  • Louis Lumière
  • Louis Lumière

Louis Lumière

(França 1968). De Eric Rohmer. Em cores/66’.

Sinopse

Sinopse


Filme que faz parte de um conjunto de obras realizadas por Rohmer para a Televisão Escolar, nos anos 60. Louis. Para falar do cinema dos Lumière, do cinema dos começos e dos começos do cinema, de que vemos alguns trechos, Rohmer convidou apenas duas pessoas, que dialogam: Jean Renoir, o maior cineasta francês na opinião de Rohmer e de tantos outros e Henri Langlois, o guardião da memória do cinema, o inventor da cinefilia, no sentido mais nobre do termo. Nem um nem o outro consideram o cinema dos Lumière "primitivo".

  • Minha Noite com Ela
  • Minha Noite com Ela
  • Minha Noite com Ela
  • Minha Noite com Ela
  • Minha Noite com Ela

Minha Noite com Ela

Ma nuit chez Maude (França 1969). De Eric Rohmer. Com Anne Dubot, Françoise Fabian, Guy Léger, Jean-Louis Trintignant, Marie-Christine Barrault. Em preto e branco/110’.

Sinopse

Sinopse

O engenheiro Jean-Louis volta à cidade de Clermont depois de ter morado anos fora. Católico introvertido, ele acaba por nutrir uma paixão platônica pela loura Françoise, que ele encontra nas missas de domingo. Apesar de não desenvolver nem uma reles amizade com ela, acredita que a moça é sua parceira ideal. Um dia, durante um passeio, reencontra Vidal, um velho amigo marxista. Ele o apresenta à sua namorada Maud, uma divorciada inteligente e charmosa. Os três passam a noite no apartamento dela falando sobre filosofia e religião, principalmente sobre diferentes visões sobre a filosofia de Pascal, que nasceu na cidade em que eles vivem. Vidal volta para casa, deixando Jean-Louis e Maud juntos. Com a chegada de uma tempestade de neve, ele terá que resistir aos avanços da anfitriã para se manter fiel aos seus princípios católicos e à sua paixão, que ele nem conhece realmente.

Terceira parte da série "Seis Contos Morais", de Eric Rohmer, Minha Noite Com Ela é um dos clássicos da Nouvelle Vague. e trabalha questões como ética, religião e filosofia, sempre tendo como pano de fundo os relacionamentos humanos. * Indicado Ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro e Melhor Roteiro Original - 1970.