Raymond Depardon

Raymond Depardon

(1942)

Biografia

Criança solitária, Raymond Depardon tirou suas primeiras fotografias na fazenda familiar. Com 16 anos chega a Paris, onde torna-se assistente do fotógrafo Gilles Foucherand. Este é logo associado à agência Delmas, que envia Depardon à África para seguir a expedição SOS- Sahara em 1960. O jovem retornou com uma reportagem muito marcante no momento da sua sua publicação no Paris- Match, depois cobriu as guerras da Argélia e do Vietnã. Em 1966 foi cofundador da mitica agência Gamma, pela qual partiu em reportagem no Tchaud, no Biafra ou ainda em Praga: O filme consagrou a imolação do estudante Jan Palach, tornando-se aliás seu primeiro curta metragem em 1969.

Herdeiro do cinema direto, cujo os líderes tem por nome Richard Leacock ou Pennebaker, Depardon seguiu Giscard no momento de sua campanha de 1974, no entanto o Presidente esperou 28 anos para autorizar a difusão deste documentário, que ele havia  contudo encomendado. Autor de diveros curtas metragens que percorreram o mundo, o cineastra dirigiu em 1980 seu segundo longa, Numéros zéro, sendo inserido de súbito na redação do Matin de Paris. Paciência, descrição, atenção de todos os instantes: tais  são as regras de ouro do cineastra que se fez testemunha do cotidiano das fotografias da imprensa ( Reportes, Cesar de melhor documentário em 1982) ou de uma equipe de policiais (Faits divers), e se introduz dentro das instituições também fechadas no universo hospitalar (asilo psiquiátrico de San Clemente, o serviço de Urgences  do l’Hôtel- Dieu) ou a justiça (Délits flagrants, 1994) que lhe proporcionou um segundo César.

Em 1985, "Empty Quarter, une femme en Afrique" é a primeira incursão de Raymond Depardon na ficção. O continente negro, sobre o o qual ele porta um olhar ao mesmo tempo amoroso  e inquieto (Afriques: comment ça va avec la douleur ?) Em 1996 inspirou ao documentarista dois outros filmes de ficção: La Captive du desert (1989), rodado na Nigéria com Sandrine Bonnaire dentro do papel de François Claustre, arqueólogo sequestrado através dos Toubous, depois Un homme sans l’Occident (2002). Reencontra-se nestas obras diletantes o gosto de Depardon pelo cinema contemplativo como novamente testemunha  Paris, reflexão sobre o seu trabalho que navega entre documentário e ficção.

Fotógrafo e cineastra de reputação mundial, Depardon multiplica os mais variados projetos ( filmes, exposições, obras, propagandas, ...) tudo com fidelidade a certas temáticas: afirmou na revista Studio que “ o verdadeiro documentário é finalmente mais perto do teatro”, ele roda em 2004 10ième chambre,instants d’audience, novo estado dos lugares da justiça na França; apresentado com sucesso no Festival de Cannes. Paralelamente a todas essas atividades, este filho de agricultores se lança no fim dos anos 90 em um trabalho que exige muito tempo e esforço, Profils Paysans, panorama em três partes da França rural, que necessita não menos de 10 anos de filmagem.




Participação nos filmes

  • 1974, Um Presidente em Campanha
  • 1974, Um Presidente em Campanha
  • 1974, Um Presidente em Campanha
  • 1974, Um Presidente em Campanha

1974, Um Presidente em Campanha

1974, Une partie de campagne (França 1975). De Raymond Depardon. Com Charles Aznavour. Em cores/90’.

Sinopse

Sinopse

O documentário registra a campanha do candidato que acabaria eleito presidente da França, Valéry Giscard d'Estaing. Uma vez eleito, o presidente se opôs à difusão do filme, motivo pelo qual este que deveria ser o primeiro longa de Depardon só chegou ao público em 2002.

A Vida moderna

La Vie moderne (França 2008). De Raymond Depardon. Em cores/90’.

Sinopse

Sinopse

Através de uma série de retratos, Raymond Depardon torna-se testemunha de fazendeiros do interior da França. Trata-se de um documentário sobre vidas, valores e histórias de família, ou seja, tudo aquilo que liga essas pessoas à terra e ao seu legado. A pergunta que o acompanha: o que acontecerá com essas "pessoas da terra"? *Prêmio Louis Delluc 2008.
Alguma Novidade em Garet

Alguma Novidade em Garet

Quoi de neuf au Garet (França 2005). De Raymond Depardon. Em cores/10’.

Sinopse

Sinopse


A fazenda de Garet é posta à venda, e os irmãos Jean e Raymond Depardo conversam sobre o passado e o futuro do imóvel. Falam sobre seus pais e seu trabalho na fazenda, dos filhos, e testemunham a perda da preciosa herança familiar.

Chasseurs et Chamans

Chasseurs et Chamans

(França 2003). De Raymond Depardon. Em cores/32’.

Sinopse

Sinopse

Raymond Depardon viaja ao Amazonas ao encontro dos índios Yanomami
  • Instantes de Audiência
  • Instantes de Audiência
  • Instantes de Audiência
  • Instantes de Audiência

Instantes de Audiência

10ème Chambre, Instants d'audience (França 2004). De Raymond Depardon. Em cores/105’.

Sinopse

Sinopse


Entre maio e julho de 2003, Raymond Depardon foi autorizado a filmar as audiências do tribunal correcional de Paris. Um testemunho inédito do funcionamento da maquina judiciária. 12 histórias de homens e mulheres que um dia foram confrontados à justiça.

Journal de France

Journal de France

(França 2012). De Claudine Nougaret, Raymond Depardon. Em cores/100’.

Sinopse

Sinopse


Um diário e uma viagem no tempo. Ela encontra filmes inéditos de fotos que ele tirou: registros de suas primeiras fotos, reportagens ao redor do mundo, pedaços da memória e de sua história.

  • Perfis Camponeses : O Cotidiano
  • Perfis Camponeses : O Cotidiano
  • Perfis Camponeses : O Cotidiano

Perfis Camponeses : O Cotidiano

Profils Paysans : Le Quotidien (França 2004). De Raymond Depardon. Em cores/90’.

Sinopse

Sinopse


Segunda parte do projeto, na qual Raymond Depardon mostra as diferentes gerações que ocupam o campo, como os jovens que se instalam em fazendas. Nesse documentário ele também aborda os problemas da herança e transmissão de patrimônio.

  • Perfis Camponeses: A Aproximação
  • Perfis Camponeses: A Aproximação
  • Perfis Camponeses: A Aproximação

Perfis Camponeses: A Aproximação

Profils Paysans : L'approche (França 2000). De Raymond Depardon. Em cores/90’.

Sinopse

Sinopse


Primeira parte da trilogia de Depardon sobre o mundo rural francês. Ele traça um perfil dos camponeses, uma classe sócio profissional esquecida, que só é lembrada, nos dias de hoje, quando catástrofes climáticas ou epidemias colocam-na sob o foco dos noticiários.

  • Presos em Flagrante
  • Presos em Flagrante

Presos em Flagrante

Délits flagrants (França 1994). De Raymond Depardon. Em cores/109’.

Sinopse

Sinopse


Raymond Depardon acompanha o processo pelo qual passam os suspeitos pegos em flagrante, da sua chegada à delegacia até o primeiro contato com os advogados. Revelam-se uma série de procedimentos que, geralmente, acontecem por trás das portas fechadas.
* César de Melhor Documentário - 1995 *