Roschdy Zem

Roschdy Zem

Biografia

Filho de imigrantes marroquinos, Roschdy Zem cursou teatro e se apaixonou por futebol. Sua primeira experiência cinematográfica tem lugar em 1987 (como figurante em “Les Keufs”), mas o jovem, que ganhava a vida vendendo calças jeans nos mercados, ainda não cogitava em se tornar ator. Descoberto por um assistente de André Techiné, aceitou pequenos papéis nos filmes “J'embrasse pas” (1991) e “Minha estação preferida” (1991) e teve participações eventuais em algumas produções teatrais. <br> <br>Aos trinta anos, sua carreira alça realmente voo graças a duas atuações bastante notáveis:  o viciado de “Não se esqueça que você vai morrer” de Xavier Beauvois e o adorável guarda noturno de “En avoir ou pas” de Laetitia Masson. O cinema autoral se enamora desse rapaz robusto e sensível que roda com Chéreau (“Ceux qui m'aiment prendront le train”), Garrel, e com muitos outros  diretores estreantes em filmes como “Louise (take 2)” ou as duas sutis evocações da guerra da Argélia: “L'Autre côté de la mer” (1997) e ”Vivre au paradis” (1998). <br> <br>Assim como Sami Bouajila, Roschdy Zem abre caminho a outros atores de origem árabe na França, mostrando seu valor em papéis e filmes bastante variados. Rodou em fitas sensíveis a questões sociais, como “Salve-me” e “Meu pequeno negócio” de Jolivet, filme mais leve que lhe valeu uma indicação para o César na categoria Melhor Ator Coadjuvante. Fez comédias populares como “Esporte de ataque”, ”Blanche” ou “Xuxu”, no qual interpreta o inenarrável Frère Jean. Fez também filmes psicológicos como “Betty Fisher e Outras Histórias” e “Ordo”. Alcaguete em “36”, vivendo um tira no filme “O Pequeno Tenente”, de seu cúmplice de sempre Beauvois (que lhe trouxe, também uma indicação ao César), esse grande ator de composição aprendeu o hebreu para as gravações de “Um Herói do Nosso Tempo” e representou com sotaque sérvio em “La Californie”. Ganhou em 2006 o Grande Prêmio de Interpretação Masculina em Cannes (compartilhado com seus parceiros), na produção “Dias de Glória”, um filme de guerra sobre soldados norte africanos mobilizados em 1943. <br> <br>Esse ano tão rico foi também marcado por sua estreia como diretor em “Má fé” (no qual também é o intérprete principal), uma comédia sobre um casal misto, sendo ela judia (Cécile de France) e ele muçulmano. Em 2008, vamos reencontrá-lo como um apaixonado da “A Garota de Mônaco”, perfeito no papel de tira que arrisca a vida em “Go Fast: No Coração do Tráfico” ou festejando seu reencontro com Pierre Jolivet em “La Très très grande entreprise”. Sua interpretação de um advogado em plena crise de consciência em “Commis d'office” (2009) foi bem recebida pela crítica, assim como a interpretação no filme de seu amigo Pascal Elbé “Cabeça de turco”. O ano de 2010 marcou o retorno dos atiradores norte-africanos em Cannes com “Fora da lei”, que foi mais uma vez selecionado e permitiu o reencontro com os intérpretes que dividiram com ele o Prêmio de Interpretação, Jamel Debbouze e Sami Bouajila.




Participação nos filmes

  • 36 Anti-Corrupção
  • 36 Anti-Corrupção
  • 36 Anti-Corrupção
  • 36 Anti-Corrupção
  • 36 Anti-Corrupção

36 Anti-Corrupção

36, Quai des Orfèvres (França 2004). De Olivier Marchal. Com Daniel Auteuil, André Dussolier, Gérard Depardieu, Roschdy Zem, Valeria Golino. Em cores/110’.

Sinopse

Sinopse

Um grupo perigoso de bandidos começa a agir com extrema violência e impunidade durante um bom tempo, até que o diretor da polícia decide promover uma espécie de concurso interno entre seus dois principais tenentes para acabar com a onda de crimes. Aquele que conseguir derrotar e prender a gangue ficará com o posto de chefe da polícia. A luta entre os dois, e contra a gangue, começa e todas as armas são válidas para vencer a violência e também estimular a competição entre duas pessoas que antes eram amigos e agora se vêem divididos, em diversos aspectos.

  • A Garota de Mônaco
  • A Garota de Mônaco
  • A Garota de Mônaco

A Garota de Mônaco

La Fille de Monaco (França 2008). Com Fabrice Luchini, Louise Bourgoin, Roschdy Zem. Em cores/95’.

Sinopse

Sinopse

Bertrand é um famoso advogado que chega a Mônaco na companhia de seu guarda-costas Christophe a fim de defender um criminoso. Lá, no entanto, ele conhece Audrey, uma sexy garota do tempo numa emissora de TV. Fascinado pela beleza da moça e cada vez mais seduzido por ela, Bertrand prefere não ouvir os conselhos de Christophe e não se dá conta de que Audrey não passa de uma jovem ambiciosa que tenta destruir o advogado.
  • À Queima Roupa
  • À Queima Roupa
  • À Queima Roupa
  • À Queima Roupa

À Queima Roupa

À bout portant (França 2010). Com Gerard Lanvin, Mireille Perrier, Roschdy Zem. Em cores/84’.

Sinopse

Sinopse

De Fred Cavayé.


Tudo está indo bem para Sam e Nadia: ele trabalha com enfermagem e ela está esperando o primeiro filho. Mas tudo muda quando Nadia é sequestrada sob o olhar impotente de Sam. Desacordado, ele desperta quando seu telefone toca, e agora ele terá três horas para reaver sua mulher viva.


  • A Venda
  • A Venda
  • A Venda

A Venda

A Vendre (França 1998). De Laetitia Masson. Com Roschdy Zem, Sandrine Kiberlain, Sergio Castellito. Em cores/117’.

Sinopse

Sinopse

Às vésperas de seu casamento com Pierre (Jean-François Stévenin), France (Sandrine Kiberlain) desaparece. Primo (Sergio Castellitto), detetive particular, lança-se, então em vão na busca da noiva que evaporou, interrogando aqueles que lhe são mais próximos, amigos, família. César 1999: Indicado ao prêmio de melhor interpretação feminina (Sandrine Kiberlain) e melhor direção
  • Betty Fisher e Outras Histórias
  • Betty Fisher e Outras Histórias
  • Betty Fisher e Outras Histórias
  • Betty Fisher e Outras Histórias

Betty Fisher e Outras Histórias

Betty Fisher et autres histoires (França 2001). De Claude Miller. Com Edouard Baer, Luck Mervil, Mathilde Seigner, Nicole Garcia, Roschdy Zem, Sandrine Kiberlain. Em cores/101’.

Sinopse

Sinopse

Duas mulheres, dois mundos. Betty Fisher é uma jovem escritora de talento que descobre o prazer do amor maternal com seu filho de quatro anos; Carole é garçonete de um bar, cuja vida não é um mar de rosas, e que trata seu filho grosseiramente. Uma terceira mulher, Margot, mãe de Betty, irá juntar estes diferentes destinos inesperadamente. * Seleção Oficial no Festival de Berlim.

  • Bodybuilder
  • Bodybuilder
  • Bodybuilder

Bodybuilder

(França 2014). De Roschdy Zem. Com Marina Foïs, Vincent Rottiers, Yolin François Gauvin. Em cores/100’. Classificação etária Livre.

Sinopse

Sinopse

Antoine Morel costumava morar com a sua mãe e o seu irmão mais velho, mas por causa de seus crimes e suas associações com pequenas gangues criminosas, é obrigado a se mudar para a casa de seu pai, Vincent Morel, um bodybuilder e homem com quem Antoine não tem contato algum há muitos anos.

Camping à la Ferme

Cmping à la Ferme (França 2004). Com Roschdy Zem. Em cores/92’.

Sinopse

Sinopse

Seis jovens em dificuldades da periferia parisiense chegam ao cafundó do interior da França, acompanhados por seu instrutor. Eles têm que demonstrar boa vontade fazendo os chamados TIG (trabalhos de interesse geral) por determinação do juiz, que quer assim lhes dar uma última chance. Com o celular grudado na orelha de um, o pitbull do outro e ainda as preces muçulmanas do terceiro, os adolescentes irão infernizar a vida pacata do pequeno vilarejo...
  • Chocolate
  • Chocolate

Chocolate

Chocolat (França 2015). De Roschdy Zem. Com James Thiérrée, Omar Sy. Em cores/120’.

Sinopse

Sinopse

O jovem negro Rafael Padilha nasceu em Cuba em 1868 e foi vendido quando ainda era criança. Anos depois ele consegue fugir e é encontrado nas docas por um palhaço que o coloca nas suas apresentações. Em seguida, Padilha passa a ser conhecido como Chocolat, tornando-se o primeiro artista circense negro na França, um grande sucesso no final do século XIX.
Commis d'office

Commis d'office

(França 2008). De Hannelore Cayre. Com Roschdy Zem. Em cores/87’.

Sinopse

Sinopse

Aos 40 anos completos, Antoine Lahoud é um advogado criminalista apaixonado, mas desencantado com o meio profissional. Com sua alma de bom samaritano, ele cuida de casos corriqueiros e miseráveis. E é durante uma argumentação que ele se faz notar por Henry Marsac, um advogado de reputação diabólica. Este o contrata para assisti-lo na defesa de bandidões e o ensina a desfrutar dos benefícios da prosperidade. Mas Lahoud logo percebe que a admiração repentina que suscita em seu colega não é de todo desinteressada...
  • Dias de Glória
  • Dias de Glória
  • Dias de Glória
  • Dias de Glória
  • Dias de Glória

Dias de Glória

Indigènes (Argélia, Bélgica, França, Marrocos 2006). De Rachid Bouchareb. Com Bernard Blancan, Jamel Debbouze, Mélanie Laurent, Roschdy Zem, Sami Bouajila, Samy Nacéri. Em cores/128’.

Sinopse

Sinopse


Em 1943, 130 mil soldados originários das colônias francesas na África foram para a Europa lutar na Segunda Guerra e ajudar a libertar uma pátria-mãe na qual nunca antes haviam estado. "Dias de Glória" conta a história de quatro desses homens, desde a sua convocação em seus países de origem até o fim da Guerra.
* Vencedor do Prêmio de Melhor Ator no Festival de Cannes de 2006 *