Roschdy Zem

Roschdy Zem

Biografia

Filho de imigrantes marroquinos, Roschdy Zem cursou teatro e se apaixonou por futebol. Sua primeira experiência cinematográfica tem lugar em 1987 (como figurante em “Les Keufs”), mas o jovem, que ganhava a vida vendendo calças jeans nos mercados, ainda não cogitava em se tornar ator. Descoberto por um assistente de André Techiné, aceitou pequenos papéis nos filmes “J'embrasse pas” (1991) e “Minha estação preferida” (1991) e teve participações eventuais em algumas produções teatrais. <br> <br>Aos trinta anos, sua carreira alça realmente voo graças a duas atuações bastante notáveis:  o viciado de “Não se esqueça que você vai morrer” de Xavier Beauvois e o adorável guarda noturno de “En avoir ou pas” de Laetitia Masson. O cinema autoral se enamora desse rapaz robusto e sensível que roda com Chéreau (“Ceux qui m'aiment prendront le train”), Garrel, e com muitos outros  diretores estreantes em filmes como “Louise (take 2)” ou as duas sutis evocações da guerra da Argélia: “L'Autre côté de la mer” (1997) e ”Vivre au paradis” (1998). <br> <br>Assim como Sami Bouajila, Roschdy Zem abre caminho a outros atores de origem árabe na França, mostrando seu valor em papéis e filmes bastante variados. Rodou em fitas sensíveis a questões sociais, como “Salve-me” e “Meu pequeno negócio” de Jolivet, filme mais leve que lhe valeu uma indicação para o César na categoria Melhor Ator Coadjuvante. Fez comédias populares como “Esporte de ataque”, ”Blanche” ou “Xuxu”, no qual interpreta o inenarrável Frère Jean. Fez também filmes psicológicos como “Betty Fisher e Outras Histórias” e “Ordo”. Alcaguete em “36”, vivendo um tira no filme “O Pequeno Tenente”, de seu cúmplice de sempre Beauvois (que lhe trouxe, também uma indicação ao César), esse grande ator de composição aprendeu o hebreu para as gravações de “Um Herói do Nosso Tempo” e representou com sotaque sérvio em “La Californie”. Ganhou em 2006 o Grande Prêmio de Interpretação Masculina em Cannes (compartilhado com seus parceiros), na produção “Dias de Glória”, um filme de guerra sobre soldados norte africanos mobilizados em 1943. <br> <br>Esse ano tão rico foi também marcado por sua estreia como diretor em “Má fé” (no qual também é o intérprete principal), uma comédia sobre um casal misto, sendo ela judia (Cécile de France) e ele muçulmano. Em 2008, vamos reencontrá-lo como um apaixonado da “A Garota de Mônaco”, perfeito no papel de tira que arrisca a vida em “Go Fast: No Coração do Tráfico” ou festejando seu reencontro com Pierre Jolivet em “La Très très grande entreprise”. Sua interpretação de um advogado em plena crise de consciência em “Commis d'office” (2009) foi bem recebida pela crítica, assim como a interpretação no filme de seu amigo Pascal Elbé “Cabeça de turco”. O ano de 2010 marcou o retorno dos atiradores norte-africanos em Cannes com “Fora da lei”, que foi mais uma vez selecionado e permitiu o reencontro com os intérpretes que dividiram com ele o Prêmio de Interpretação, Jamel Debbouze e Sami Bouajila.




Participação nos filmes

Minha estação preferida

Minha estação preferida

Ma saison préferée (França 1992). De André Techiné. Com Catherine Deneuve, Chiara Mastroianni, Daniel Auteuil, Marthe Villalonga, Roschdy Zem. Em cores/96’.

Sinopse

Sinopse

É a história de um irmão e de uma irmã. História que ganha consistência a partir do momento em que a mãe perde aos poucos a lucidez e finalmente a vida. Os dois encontram-se então diante de suas existências. Não há nostalgia alguma, porque é sempre no presente que se constrói o passado. Entre a vertigem de se encontrar e a dor de se separar, irmão e irmã tomarão enfim consciência de seus verdadeiros lugares no mundo...

Cannes 1993: Seleção Oficial - César 1994: Indicado melhor interpretação masculina (Daniel Auteuil), melhor atriz (Deneuve), melhor diretor, melhor filme, melhor atriz coadjuvante (Marthe Villalonga), melhor roteiro), revelação feminina (Chiara Mastroianni)

  • Monsieur N.
  • Monsieur N.
  • Monsieur N.
  • Monsieur N.

Monsieur N.

(França 2003). De Antoine de Caunes. Com Elsa Zylberstein, Jay Rodan, Philippe Torreton, Richard E. Grant, Roschdy Zem. Em cores/127’.

Sinopse

Sinopse


Como Napoleão, o homem de todas as batalhas, o genial estrategista político e militar , pôde aceitar submeter-se a um aprisionamento numa pequena ilha, no meio do Oceano Atlântico? Que sistema de defesa, portanto de ataque, ele imagina pôr em prática para abrir suas algemas ? É na longínqua ilha de Santa Helena, escolhida pelos inimigos, que Napoleão vai travar uma misteriosa batalha: a última, mantida em segredo todos esses anos. Aquela que a História jamais revelou...

Não se esqueça que você vai morrer

Não se esqueça que você vai morrer

N'oublie pas que tu vas mourir (França 1996). De Xavier Beauvois. Com Xavier Beauvois, Chiara Mastroianni, Roschdy Zem. Em cores/118’.

Sinopse

Sinopse


Benoît é um estudante de História de Arte. Quando chega o momento de prestar o serviço militar obrigatório, ele vê seus sonhos, cuidadosamente planejados, caírem por terra. Ele simula um suicídio. O truque o livra do serviço militar, mas o obriga a encarar uma realidade muito pior. Examinado por um médico do exército, descobre que tem AIDS.

  • O Pequeno Tenente
  • O Pequeno Tenente
  • O Pequeno Tenente
  • O Pequeno Tenente
  • O Pequeno Tenente

O Pequeno Tenente

Le Petit lieutenant (França 2004). De Xavier Beauvois. Com Jalil Lespert, Nathalie Baye, Roschdy Zem. Em cores/110’. Classificação etária 12 anos.

Sinopse

Sinopse

Recentemente formado, o tenente Antoine integra o grupo de luta contra o crime da polícia de Paris. Cheio de entusiasmo, ele inicia seu aprendizagem ao lado de Caroline Vaudieu, que se apega a esse jovem moço que tem a mesma idade que seu filho desaparecido.

  • O Preço da Fama
  • O Preço da Fama
  • O Preço da Fama

O Preço da Fama

La Rançon de la Gloire (França 2013). De Xavier Beauvois. Com Benoît Poelvoorde, Roschdy Zem. Em cores/114’.

Sinopse

Sinopse

No final dos anos 70, nas proximidades do Lago de Genebra, Eddy Ricaart é libertado da prisão e recebido por Osman Bricha, um grande amigo. Ambos estão passando por um momento difícil, completamente sem dinheiro, e Eddy, ao ficar sabendo da morte de Charlie Chaplin, decide sequestrar o caixão do astro e exigir um alto resgate.
O Preço da Glória

O Preço da Glória

La Raçon de la Gloire (França, Suíça 2014). De Xavier Beauvois. Com Benoît Poelvoorde, Roschdy Zem. Em cores/114’.

Sinopse

Sinopse

É final da década de 1970. Após deixar a prisão, Eddy, um belga de seus 40 anos, está de volta à cidade suíça de Vevey. Lá, é recebido por seu amigo Osman, que lhe cede um lugar para ficar em troca de um serviço de babysitter de sua filha Samira. É Natal, mas o espírito de comunhão misturado à falta de dinheiro de Eddy fez dele um sujeito amargo. Quando a morte de Charlie Chaplin é anunciada na TV, bem como a extensão de sua fortuna, o ladrão tem uma ideia: e se ele roubasse o cadáver e exigisse um resgate substancial da família?

Obrigada Dra Rey

Merci Docteur (Estados Unidos, França 2002). De Andrew Litvack. Com Dianne Wiest, Roschdy Zem. Em cores/90’.

Sinopse

Sinopse

Rapaz viciado em sexo por telefone e sua mãe, diva de ópera decadente, se vêem envolvidos em grande confusão por causa de um assassinato.
  • Pessoas-Pássaro
  • Pessoas-Pássaro
  • Pessoas-Pássaro
  • Pessoas-Pássaro

Pessoas-Pássaro

Bird People (França 2014). De Pascale Ferran. Com Anaïs Demoustier, Josh Charles, Roschdy Zem. Em cores/127’. Classificação etária Livre.

Sinopse

Sinopse

Num hotel próximo a um aeroporto de Paris, dois desconhecidos tentam encontrar algum sentido em suas existências. O norte-americano Gary, engenheiro de informática, submetido a fortes pressões profissionais e afetivas, decide mudar radicalmente sua vida. Algumas horas mais tarde, a realidade de Audrey, uma jovem camareira do hotel, é totalmente transformada depois que ela passa por uma experiência sobrenatural.

Quem me Amar Irá de Comboio

Ceux qui M'aiment Prendront le Train (França 1998). De Patrice Chéreau. Com Guillaume Canet, Roschdy Zem. Em cores/123’.

Sinopse

Sinopse

Antes de morrer, o artista e professor Jean-Baptiste (Jean-Louis Trintignant) pede para ser sepultado na pequena Limoges e deixa uma mensagem: “os que me amam tomarão o trem”. Diante disso, amantes, amigos e parentes se encontram na estação ferroviária de Paris para uma jornada surpreendente.
Salve-me

Salve-me

Sauve-moi (França 2000). De Christian Vincent. Com Jean-Roger Milo, Karole Rocher, Olivier Gourmet, Rona Harter, Roschdy Zem. Em cores/100’.

Sinopse

Sinopse

Mehdi circula pelas ruas de Roubaix, cidadezinha francesa, em seu taxi clandestino. Vive de expedientes e de pequenos trabalhos. Seus grandes amigos são: Sergio, que trabalha num supermercado; Willy, para quem a amizade tem muita importância; Marc, um agente de segurança obrigado a dar uma parte de seu salário ao patrão; e Cecile. Certo dia, chega em Roubaix, Agatha, jovem da Rumênia. Ela vem de um país destruído, mas é cheia de vida; está de passagem e não permanecerá. É preciso ajudá-la, encontrar um leito, um teto, dinheiro...